Acordo une Cachaça e Scotch Whisky. Objetivo é proteção às marcas e maior divulgação

Apesar da população da Grã-Bretanha ser apenas 30% da brasileira, o mercado de destilados local é mais de três vezes maior do que o brasileiro, segundo dados do IWSR. E, claro, eles têm uma história de sucesso para contar quando se fala em divulgação internacional de uma bebida. O scotch whisky é, entre todas as categorias de destilados, o mais globalizado. Mais de 35% do consumo da bebida nacional britânica é realizado fora das ilhas. Enquanto isso, só 1% da cachaça produzida anualmente no Brasil é degustada fora do nosso território.

Ou seja, temos muito o que aprender com os britânicos sobre temas como comercialização, divulgação e cultura de imagem de destilados. E isso faz com que o Acordo de Cooperação Mútua assinado recentemente entre o o Instituto Brasileiro da Cachaça – IBRAC (entidade privada representativa do setor produtivo da cachaça) e a Scotch Whisky Association – SWA (entidade representativa do setor do Scotch Whisky) seja uma notícia das mais promissoras.

O acordo entre a cachaça e o scotch foi assinado na semana passada, em Brasília, com a presença de Sarah Dickson, diretora de Assuntos Globais da SWA, depois de uma negociação que durou mais de um ano.

O interesse no acordo é mútuo. O Brasil é um dos mercados preferenciais do scotch – o oitavo, em termos globais. Já para a cachaça, a Grã-Bretanha é território que já é explorado por marcas como a Magnífica há muitos anos, mas que tem grande potencial de crescimento. Os embarques de cachaça para o país representam 4,83% do total exportado pelo país, o que faz do Reino Unido o nono mercado exportador de cachaça a nível global. É pouco ainda. Marcas como a Bartolomeu tem se dedicado a buscar espaço nos bares ingleses, templos mundiais da coquetelaria.

cachaça scotch
Múcio, do Ibrac, e Sarah Dickson, da SWA

Um dos aspectos mais importantes do acordo é a colaboração sobre o tema Indicações Geográficas. É de interesse tanto da denominação CACHAÇA quanto da denominação SCOTCH WHISKY que os mercados se fechem a contrafações – produtos que não são produzidos nas respectivas regiões tradicionais e submetidos a regras estritas e que  lançam mão dessas denominações.

Outra consequência importante do acordo será a troca de informações entre os dois setores sobre boas práticas de produção, o que abre a possibilidade de cooperação tecnológica – o que é ótimo, desde que, claro, os dois destilados mantenham as respectivas identidades, que levaram ambos a figurar entre os dez destilados mais consumidos do planeta.

No embalo do acordo, o Ibrac anunciou que o Reino Unido será incluído na nova proposta de projeto para a promoção internacional da cachaça que será apresentado em breve pelo instituto à Agência de Promoção às Exportações e Investimentos – a despeito do Brexit.

Fonte: Devotos da Cachaça

Foto: Etílicos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *