Cachaça envelhecida e cachaça branca: conheça as diferenças e características

A principal diferença entre degustar cachaça e simplesmente bebê-la é conseguir identificar todos os traços e aspectos que cada tipo desse líquido milenar têm a oferecer. Infelizmente, nem todas as pessoas que têm a oportunidade de experimentar diversas cachaças das mais variadas marcas e produtores sabem exatamente o que estão bebendo.

Atualmente existem no mercado dois tipos principais de cachaças: a branca e a envelhecida. É comum que muitos consumidores acabem adquirindo garrafas dessas duas espécies de bebidas sem nem ao menos saber as diferenças entre elas e como cada uma é preparada para o consumo.

Caso você realmente esteja disposto a conhecer a fundo todas as curiosidades que rodam acerca do universo da cachaça, saber as características desses dois tipos da “caninha” é algo essencial para o íncio do aprendizado.

Cachaça branca

A cachaça branca (por vezes também chamada de cachaça transparente) é o tipo mais simples e comum de cachaça existente no mercado. Trata-se simplesmente da bebida que não sofreu qualquer tipo de envelhecimento durante seu processo de produção, sendo engarrafada e comercializada pouco tempos após sua destilação.

A cachaça branca costuma apresentar sabores e aromas mais intensos, secos e ardentes. Isto ocorre basicamente por ser um produto mais “fresco” e com maior concentração de álcool.

Cachaça envelhecida

Já a cachaça envelhecida, assim como seu nome sugere, é a bebida que descansa dentro de tonéis de madeira por pelo menos um ano antes de ser engarrafada e comercializada. A exigência de no mínimo doze meses de envelhecimento é uma legislação brasileira estabelecida justamente para
controlar rigorosamente a qualidade das cachaças produzidas em todo o território nacional.

O tipo de madeira empregada na elaboração do tonél afeta diretamente os sabores e aromas finais da cachaça. Isto porque o contato entre o líquido e o barril desencadeia uma série de reações químicas que ocasionam diversas alterações na cachaça, como a perda de álcool, o ganho da cor dourada
e os toques aromáticos da bebida. Desta forma, a cachaça envelhecida costuma ser mais suave e aveludada, sendo até mesmo recomendada para degustadores “iniciantes”.

Existem cachaças que envelhecem por até 16 anos – é o caso, por exemplo, da Armazém Vieira Ônix, bebida premium descansada em tonéis de ariribá e grápia. O carvalho, contudo, é a madeira mais popular para envelhecimento de cachaça (por uma série de fatores como baixo custo e excelente resultado final). Um bom exemplo de bebidas envelhecidas neste tipo de barril é a Companheira Extra Premium, descansada por oito anos.

Uma questão puramente pessoal

Vale observar que uma cachaça branca não é necessariamente de qualidade inferior à de uma envelhecida, assim como uma bebida descansada por vários anos pode não agradar ao paladar de um degustador quanto uma mais jovem. Trata-se de uma questão de preferência pessoal. O importante é experimentar as mais variadas cachaças disponíveis no mercado, tentar aprecia cada nuance dos sabores e aromas, e, por fim, descobrir qual é a cachaça que mais combina com você.

One thought on “Cachaça envelhecida e cachaça branca: conheça as diferenças e características

  1. Joaquim Lopes Jr says:

    Discordo da descriçao de cachaça branca. Existem sim, cachaças brancas envelhecidas em determinadas madeiras, que não deixam cor nem sabor, mas “amaciam” a cachaça.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *